A.A.MACÊDO – O mais querido

UMA BREVE HISTÓRIA – 1928 / 2017

Este historiador de ocasião não tem a pretensão de narrar com precisão e em poucas páginas tudo aquilo que se passou durante os 89 anos de existência da A.A. Macêdo, pois não conseguiu encontrar no clube e dentre os mais antigos frequentadores, material e testemunhos que viessem preencher os espaços incompletos de uma rica e quase centenária história.

Contudo, com muita boa vontade consegui com alguns amigos, recortes de jornais, bem como, fotografias, alguns documentos e relatos de outrora para dar início a este modesto trabalho.

O imperdoável seria não fazer nada. Mesmo assim peço desculpas pelas omissões e injustiças que o trabalho incompleto possa causar. Mas, quando todo o material estiver em nosso site, se aparecerem interessados em contar importantes partes da história do clube, poder-se-á incluir novidades nesse trabalho inclusive documentos. Fica aí o convite e nossos antecipados agradecimentos.

Como é de conhecimento geral quase todas as pessoas se utilizam das redes sociais para se comunicar. Vamos então nos aproveitar desta importante ferramenta para mostrar e democratizar a história e os eventos do mais antigo clube em atividade da Cidade de Guarulhos.

Depois de atravessar um período de abandono e descalabro que durou de 1989 a 2007, a presidência atual que fora eleita pela primeira vez no ano de 2008 ( o presidente Lamartine Zanzini e seu Vice, Odair, Eduardo Zanzini, Moura, Edmundo, José Eduardo Brumatti, Stálin S. Zanzini, João B. Barbosa, o Luiz Senna funcionário, com os demais diretores e conselheiros e alguns associados, como o Jaime, pai do conselheiro Edu Costa, Claudinho Protético, Wilson, Rocha, Aldo, entre outros), a nova diretoria executiva se comprometeu a reconstruir. Assim foi feito desde então. O novo grupo de idealistas e apaixonados pelo Macêdo, legalizou as eleições da Diretoria, do Conselho Deliberativo e Fiscal, bem como a reforma do patrimônio social, o qual se localiza em área nobre da cidade e muito bem frequentado, cujo patrimônio (em 2017) foi estimado em R$ 30.000.000,00 (trinta milhões de reais).

Logo no primeiro dia após as eleições e num breve relato, o presidente eleito, convocou a todos para um mutirão de limpeza e dando início ao enorme trabalho que vem sendo executado havia muitos anos e cujo resultado é visível e impactante àqueles que frequentam o clube.

Após essa síntese, passamos a contar a história possível, de um dos Clubes mais tradicionais de futebol em atividades no município de Guarulhos, um dos mais antigos do Brasil e que foi oficialmente fundado no dia 1° de maio de 1928.

Segundo consta de relatos da época da fundação, a Associação Atlética Macêdo F.C. (como era chamada), originou-se de uma banda de música para se tornar uma famosa entidade esportiva, que, a propósito teve equipe de futebol profissional no Estado de SP.

Por ter sido fundado por descendentes italianos, foi adotado em sua bandeira, símbolo e uniformes as cores verde, vermelha e branca, as mesmas que figuram na da bandeira da Itália.

Inicialmente pelos registros encontrados o clube tinha a sua sede na Estrada de Nazareth, como era chamada na época a Avenida Monteiro Lobato, ali no bairro do Macêdo, enquanto o campo de futebol era construído para as primeiras partidas de futebol.

Na primeira Ata do Clube, em reunião realizada no dia 1° de maio de 1928, ficaram conhecidos os primeiros diretores da associação, entre eles o Sr. Clidio Ramos de Santana, Antonio Avena, Augusto Antonio da Silva,Benedito Rocha, Antonio Thomaz, Antonio Torregrossa, José Ale, José Damiani, João Damiani, Antonio Nacare, Francisco de Almeida, Manoel de Almeida, Salvador Bufani, Arlindo de Almeida,  Matheus Franciscone, João Pinheiro, João Mota, Oscar P. da Silva, Francisco Changui, Berto Patulo, Walter Alves, Claudio Benvenutti, José Amâncio, Naim Zeitune, Ari Zeitune, Orlando de Oliveira e anos após, grandes colaboradores como o benfeitor José Brumatti, Luiz Carlos Brumatti, Renato Brumatti, Lelo, Antonio de Ré, Adilson, Luiz Bauru, Wellington, Otavio, Ditinho, Tinoca, Lito, Wellington, Nilton, Adilson, Antonio Martins, Leca, João Bonischi, Haroldo de Souza, Fernando Moras,  Vicente Torregrossa, Lamartine Zanzini e outros.

Assim, o clube estava fundado e as tradições, atividades  e a força do futebol do Macêdo passaram a ser desenvolvidas e conhecidas no Município de Guarulhos  e  fora dele.

Nos aniversários do Clube era costume fazer desfiles pelas ruas do bairro e havia eleição para a rainha com a presença de autoridades municipais e bandas de música, onde após se escolhiam as rainhas e as princesas e a realização de bailes típicos.

Para se ter uma idéia da importância do Macedo, em 1938 o governador do Estado de São Paulo, Plínio de Almeida Garcez, esteve prestigiando mais um aniversário do Clube.

Após, o clube ter conseguido o campo para a prática de futebol, outros imóveis foram sendo adquiridos e hoje o clube possui uma área total de cerca de 10.000 m2.

Nesta mesma época passaram então a surgir novos times de futebol no Município, tais como: E.C. Paulista, União Vila Augusta; União Tietê, Vila Galvão, Flor das Palmeiras, A.A.Flamengo, União de Gopoúva; Vila das Palmeiras; União dos Servidores, Vila Industrial, Globinho da Penha, Corinthians de Gopoúva, Vasco da Gama de Vila Galvão, E.C. São João, E.C. Ipiranga; E.C. Golfinho; Vilas Unidas; Vila Barros; Botafogo de Gopoúva; Vila Tijuco; A.D. Guarulhos; União Brasil; EC. Santa Bárbara; Guarani de Lavras, IV Centenário, União Cumbica, A.A. Bom Clima, Onze Primos e muitos outros que não se tem memórias.

E assim começaram as disputas das competições municipais, surgindo as rivalidades entre os clubes.

Um fato típico e curioso do futebol aconteceu em 15 de junho de 1932, quando foi observado numa Ata de reunião do clube, ocasião em que o jogador do Macêdo por ter simplesmente faltado sem avisar em um jogo que iria ser realizado contra o União Vila Augusta, de nome Benedito Pereira, foi suspenso por 30 (trinta ) dias. Chamou-nos a atenção da severidade da punição. Nessa época o clube era presidido pelo Sr. Antonio Thomaz.

Um dos fatos mais marcantes da história, ocorreu no ano de 1958, quando o Macêdo se defrontou com a forte equipe de Veteranos do E.C. Corinthians Paulista, cujo placar é desconhecido, mas havendo registro fotográfico. Aquele confronto foi de grande importância para o clube, notadamente porque, naquela época, o Timão contava com os famosos jogadores: o volante Alan e Baltazar o grande centroavante corinthiano.

O Macêdo sempre se destacou nos campeonatos de Guarulhos também. Foi campeão nos anos de 1955,1958, 1962, 1965 e 1977 e Bicampeão Junior de 1982 e 1983, sendo que em 1977 após ter sido campeão em Guarulhos, o Macêdo foi disputar o campeonato Amador do Estado de São Paulo e, após, ingressou no futebol profissional como veremos mais adiante, sendo também um dos momentos históricos mais importantes da vida do clube.

Nos anos de 1978, 1979, 1980, 1981, 1982 e 1983 também, um período áureo precisa ser destacado que é a formação das categorias de base, sob o comando do professor Flávio “Samango” e de seu auxiliar Orlando de Oliveira “Sr. Orlandinho”. Muitos campeonatos e amistosos foram disputados com muito sucesso, categorias estas muito apoiadas pelo presidente de então, o advogado e esportista Lamartine Zanzini.

Narrando mais um caso curioso, no ano de 1980, quando o Macêdo jogava contra o Aparecida F.C., pela 3ª. Divisão de Profissionais, o clube já estava desclassificado e o time adversário tinha chances de ir adiante. Ocorreu que algumas pessoas ligadas ao time do Aparecida tentaram subornar o presidente da época, o esportista Lamartine Zanzini o qual respondeu um veemente, Não! O presidente, então, informou a infâmia aos atletas do Macêdo. Avisados os jogadores partiram com tudo para cima do time adversário vencendo o jogo por 3 x 2 e mostrando, com isso, além da bravura no time, que o nosso Macêdo era composto de verdadeiros homens e que não se vendiam por nada. No final, o Aparecida E.C. estava desclassificado e a reputação do Macêdo, imaculada.

Houve outra curiosidade em torno dessa partida. O jogo teve como árbitro de futebol, o conhecido juiz José de Assis Aragão (em cuja carreira até marcou um gol no jogo entre Palmeiras e Santos, o que lhe rendeu o apelido de “juiz artilheiro”). Este, por sua vez, relutara em apitar a partida por ter sido ofendido por um torcedor e também pelas condições do campo. Depois, disse que somente apitaria a partida depois que o tal torcedor, chamado de Adilson, fosse retirado do Estádio. O jogo seguiu e, apesar da tensão, ao terminar o jogo o árbitro foi elegante ao dar autógrafo para o então menino Eduardo Zanzini (na época com 12 anos e filho do Presidente Lamartine), que gentilmente agradeceu ao juiz.

Nesta época, precisamente em 1981, na comemoração de mais um aniversário, os atletas da Base do Macêdo receberam os garotos do E.C. Corinthians Paulista em uma grande festa. Neste dia vieram ao Clube para prestigiar os eventos, o Sr. Fiori Giliotti e o “Julinho” Botelho, grande jogador de futebol que jogou pelo Palmeiras Portuguesa de Desportos e grandes clubes da Itália.

Aliás, nossos times de base sempre se defrontavam contra várias e tradicionais equipes da capital de SP, tais como, Juventus, Corinthians, São Paulo, Portuguesa de Desportos. Houve também jogos internacionais com uma equipe oriunda na extinta Alemanha Ocidental.

O tempo passou e após ter sido sagrado campeão amador de Guarulhos em 1977, o clube passou a disputar o campeonato da 3ª Divisão de Profissionais nos anos de 1978, 1979 e 1980, disputando partidas memoráveis contra o Bragantino, Mogi Mirim, Ituano e outros.

Contra o Bragantino principalmente, quando se defrontavam, era uma rivalidade enorme, e numa partida em nosso Estádio, virou uma praça de guerra, com muita confusão, viaturas da polícia, etc. Infelizmente, saímos vencidos na partida e não pudemos continuar no campeonato, apesar de muita luta e a prática de um bom futebol, no entanto tivemos que nos curvar perante a supremacia do Bragantino naquela partida. Nessa partida o nosso lateral esquerdo, o craque Claudinho, hoje nosso conselheiro, foi o protagonista principal do jogo, pois era um dos melhores laterais do campeonato da 3ª. Divisão de Futebol Profissional, mas que lamentavelmente foi expulso por ter praticado falta grave contra o ponta direita do adversário.

Pois é! Agora via internet, com a criação do nosso site, cujo material foi fornecido por vários colaboradores e também pelo conselheiro e ex-atleta profissional, o “Claudinho”, disponibilizaremos parte desse período áureo do futebol do clube.

O Macêdo, a propósito, possuía “um senhor time de futebol profissional”, comandado pelo treinador Naim Jorge Zeitune, atual Presidente do Conselho Deliberativo do Clube.

Ainda no ano de 1978, na gestão do presidente Vicentinho e diretores Fernando, Wellington, Luiz Bauru, entre outros, o Macêdo inaugurou o sistema de iluminação artificial do campo de futebol, com a presença do então sócio (posteriormente prefeito de Guarulhos), hoje saudoso, Dr. Oswaldo de Carlos, nosso grande amigo e benfeitor.

Alguns anos depois, em 1981, o Macedo se desligou do futebol profissional, com muitas honras, devido o alto custo de sua manutenção e das pequenas dimensões do seu estádio. Voltou-se, então, para as disputas dos campeonatos amadores, juvenis, torneios e das categorias de base de modo a garantir o seu patrimônio e promover atividades sociais.

Com muitas honras, sim, deve-se dizer, pois o Macêdo representou a cidade no profissionalismo com muita competência nos anos de 1978, 1979 e 1980, possuindo um dos melhores times do Estado na 3ª. Divisão do Campeonato Paulista.

Vasto material dessa gloriosa época será disponibilizado aos poucos, em nosso site, para lembrança, conhecimento da área esportiva e da tradição do clube.

Em 1983, no campeonato amador da cidade, o Macêdo sagrou-se vice-campeão em partida disputada no nosso estádio, contra o Vila Industrial pelo placar de 1×0, também exibindo um ótimo time que precisava apenas de um empate.

De 1980 a 1983, na parte patrimonial, sob comando do presidente Lamartine Zanzini, foram cobertas a quadra de Futsal e a realizada a cobertura do salão de bochas nessa mesma época.

A propósito, não se pode esquecer do time de bocha do Macêdo. Muitos associados participaram dessa modalidade esportiva no salão de bocha onde hoje foi construído o salão de festas. O Macêdo tinha equipes de primeira linda e com verdadeiros craques, que participavam de campeonatos da Federação Paulista de Bocha aos qual era filiado. Nossos bocheiros, os quais lembramos com muita saudade: Yô, Renato, Martins, Gigio, Lito, José Brumatti, Lele, Nestor , Haroldo Souza, Sr. Farias, Família Silva, Wellington, Leca, Delegado Dr. Alcidio Capovilla, Riva, os Testay, Hélio, Alexandroni, Nina-Nina, João Bonichi, Eugênio Navarro, entre outros.

Que se faça o registro também, em 1984, assumiu o Clube na presidência, o Sr.Luiz Carlos Brumatti, que exerceu uma ótima administração continuando as obras que eram necessárias e mantendo os times de futebol nos campeonatos.

Infelizmente, o material de algumas fases da vida do clube não foi localizado. Foi consumido pelo desleixo de antigos dirigentes. Desse modo, não se pôde narrar a história do período, Mas é sabido que nos anos de 1986 e 1987, a diretoria presidida por Lamartine Zanzini, transformou o clube em entidade social com o Projeto “Macedo  2000” com o lançamento de títulos de sócios e assim construir um conjunto aquático para centenas de pessoas (o qual foi abandonado pelos antigos administradores que se sucederam). Os sócios, então, passaram a frequentar o clube diariamente, pois não havia só o futebol. Além das piscinas, foram criados restaurante, cantina, parque infantil, campeonatos internos de futebol, foram adquiridos alguns imóveis que foram incorporados ao acervo do clube, sendo que o terreno do conjunto aquático, anos depois, deu lugar ao estacionamento exigido pela municipalidade.

De 1986/1987, o clube promoveu uma série de eventos sociais, como bailes noturnos, carnaval, festas juninas, dentro do “Projeto Macêdo 2000”, uma obra futurista que muito enalteceu e modernizou o clube .

A partir de 1988 até 2007, por esse grande período, quase não se produziu nenhum evento no Macêdo. Assim, não foi encontrado material, fotos, jornais e atividades. Um lapso triste na nossa história.

Um bom resumo de algumas épocas com fotos e documentários pode ser encontrado no livro “ Fragmentos do Futebol de Guarulhos“, da lavra do historiador Silvio Ribeiro, onde podemos ver um resumo da história do Macêdo e de outros clubes, com fotos e ilustrações com a colaboração dos associados e conselheiros, Lamartine Zanzini, Eduardo Siqueira Zanzini, autor do projeto de recuperação da história do Macêdo e Stálin S. Zanzini, encarregado de produção de artes e pinturas. O ex-presidente Stálin, a propósito, é também um excelente goleiro e atua nos jogos amistosos que são disputados.

Em reconhecimento pelo amor e dedicação ao clube, foi criado o mascote “Orlandinho”, um distintivo personalizado e alegre do emblema do clube, uma homenagem ao grande diretor de patrimônio, técnico das categorias mirins do Macêdo, o também saudoso Sr. Orlando de Oliveira, que com muito denodo serviu aos clube por mais de 40 anos.

Merece destaque também um dos conselheiros mais antigos do clube, Senhor Francisco Eliezer da Silva, o popular “Canhão” que freqüenta o clube religiosamente aos domingos, o qual defendeu o manto do Macêdo em épocas passadas e que hoje já nos honrou com o pontapé inicial em um festival de futebol.

Nessa mesma época, o Macêdo participou de um torneio, chamado I Copa Integração de Guarulhos e na final ocorrida no Estádio Cícero Miranda, venceu na final a forte equipe do IV Centenário de Guarulhos, pelo placar de 1X0, gol assinalado pelo centro avante “Teré”, onde o clube mostrou força dentro e fora de campo, ao mesmo tempo em que uma enorme torcida apoiava a equipe lotando o estádio onde houve a soltura de bateria de fogos que estremeceu toda a região, como noticiaram os jornais da época, conquistando um lindo e enorme troféu.

Mesmo não mais competindo em campeonatos oficiais, o Macêdo sempre formou grandes equipes de futebol amador com a revelação de excelentes jogadores no passado e ao longo dos tempos, inclusive times de sócios, que jogam às sextas-feiras à noite, coordenados pelo Luizinho, Alemão, James e o Moisés. Também aos domingos o time de Master comandados pelo Agnaldo e do Misto com o Fabinho e o Rogério, os quais possuem grandes jogadores e também como não se lembrar do time do Extra-Macêdo que ficou mais de 80 partidas invictas, um fato inédito no clube, comandados pelo esportista Odair H.Carvalho.

Em novo fôlego, o Macedo em janeiro de 1987/1988 foi inscrito pelo presidente Lamartine Zanzini, no popular Torneio da TV Record, o “ Desafio ao Galo “ sendo que logo na estreia venceu  por 3X1 a forte equipe do Moleque Travesso da Moóca, onde inclusive jogava o famoso jogador da seleção brasileira, Cesar Sampaio, que tomou um “chapéu” do nosso jogador Elton Gordinha que, pela ousadia, recebeu um pontapé e caiu. Mas valeu a pena!

A partir daí, o time não mais perdeu, tendo conquistado vários troféus e deixando o torneio no fim de 1989, apenas por perder na disputa de pênaltis.

Do ano de 2008 em diante até a atualidade, nesta última fase do clube, a atual diretoria composta pelos diretores Lamartine Zanzini; Eduardo Siqueira Zanzini; Benedicto Alves de Moura; Odair H.Carvalho, Stálin Zanzini; João Barbosa, Eduardo Brumatti, e Roberto Carillo; Edmundo J. Santos, do funcionário, Luiz de Sena Rodrigues e dos colaboradores Natanael e Macieira, imprimiram uma forte reforma patrimonial e recuperação da entidade com a construção do salão de festas, camarotes, novas instalações do bar, reforma da quadra, salão multiuso para eventos, criação do estacionamento, arborização, principalmente no setor de arquibancadas e atualmente está em curso a construção de uma  academia de ginástica.

Digno de nota, de se dizer que em 2010, o Macêdo recebeu em seu estádio a visita do ex-jogador de futebol profissional, o atacante Marques, que passou pelo Corinthians e Atlético Mineiro, além de atuar pela seleção canarinho, o qual presenteou o clube com uma camisa do “Galo de Minas”.

No ano de 2008/2009, a sala de troféus foi totalmente recuperada além das Atas e livros antigos, bem como restaurados, instalação dos sistemas de segurança como para-raios, sistemas de iluminação de emergência e principalmente a consequente obtenção do AVCB e o Alvará de Licença tudo referente aos anos de 2014, 2015, 2016 e 2017.

O clube teve regularizado todas as ATAS e os seus registros desde o ano de 2000, tanto da diretoria como do Conselho Deliberativo, bem como de sua contabilidade, fatos estes necessários a sobrevivência do clube por imposição legal numa manobra épica da diretoria, caso contrário o clube não poderia continuar suas atividades.

O Macêdo atualmente possui os seguintes funcionários, Benedicto Alves de Moura, Edmundo J. Santos, Luiz A. Sena Rodrigues e amigos colaboradores Roberval V.Pereira, Natanael e o Macieira.

Neste ano de 2017, foi criado o site do Clube parara se fazer permanente atualização da história e divulgar, ao mesmo tempo, o espaço que o clube coloca a disposição da comunidade com suas atividades e instalações.

No terreno esportivo o Macêdo possui times/equipes formadas de sócios, com jogos amistosos e rachões, realizando em parceria com esportistas, vários campeonatos durante o ano, tais como a Copa Galvila do Betão, Tutu e do Fisguela do IV Centenário, Os Donos da Bola do Leandro e Sport Ação e promovendo festivais e torneios relâmpagos criando boas fontes de renda e entretenimento.

Mantemos contratos de arrendamento e aluguéis do campo com várias entidades de escolinha de futebol durante o dia e a noite, como A.A Guarulhos futebol de base do Miranda, São Paulo Futebol Clube e muitos outros como o Raspaterra, Amigos do Adriano, Calçados Mundial do Pereira, A.D. Amigos do Betinho e Willian, Maggion do Fred, Amigos do Rafael, Família Cruzeiro e outros, enfim o clube nunca para. É de segunda a segunda, inclusive com o Futebol de Salão na Quadra poliesportiva onde se exibe o time “Macaúbas F.S” do goleiro e amigo Adriano que sempre participa de nossos festivais. A propósito, inesquecível também é a turma do “Faz-me-Rir F.S.” dos amigos Haroldo, Paulo e equipe,  responsáveis pela confecção e doação do placar que adorna a nossa quadra.

Temos uma cantina bem instalada com a Dona Rita que funciona todos os dias, para atender o pessoal da quadra e do campo de futebol, além dos convidados dos outros times.

Há três anos foi criado o time de futebol de salão que tem como responsáveis, o Flávio Ramos e Felipe Carvalho, que jogam pelas quadras da cidade e de vez em quando em nosso espaço. Mantendo viva a força esportiva do Macêdo.

Convém destacar também a participação da família Carvalho, representada pela Cecília, Carla, Juracy e a Sônia pelo trabalho realizado no clube, nas áreas administrativa e social, durante o “Projeto Macêdo 2000” nos anos de 1986/1987.

No aspecto social, frequentemente alugamos o salão de festas para casamentos, aniversários, palestras, reuniões e eventos diversos e confraternizações entre associados.

O clube funciona todos os dias das 8 às 17 h e 18 às 22 horas, sábados das 7 às 21 horas e domingos das 7 às 18horas, situando-se nas Ruas Claudino Barbosa, Rua Barbosa e Rua Juvenal Ramos. Nosso CNPJ é n° 44.262.210/0001-23 e o nosso site: www.aamacedo.com.br . O  e-mail: campomacedo@outlook.com – telefone: 2229.6446.

Pela história do futebol do Clube pode-se destacar muitos jogadores de qualidade tais como: Angú, Ticaiada, Preto, Português, Daniel, Neozinho, Alemanha, Waldemar, Ricci, Magrão, Claudinho, Ademir, Abenaldo, Renato Goleiro, Neuci, Alemão, Yo, Noel, Miguel, Alemãozinho, Fernando Tena, Chichico, Geraldo, Tonico, Alan, Djalma de Freitas, Paulão, Zé da Odete, Pescuma, Luciano Careca, Peru, Caveirinha, Azeitona, Gordinha, Tuchinha, bem como treinadores, como o Titi, Luiz Bauru, Naim Zeitune, Feola, Alemanha, Laerte-Lete e muitos outros que sempre serão lembrados.

Em eleição realizada em 2017, o Conselho Deliberativo ficou constituído pelos seguintes conselheiros: Naim J.Zeitune, Eduardo Siqueira Zanzini;Stálin Siqueira Zanzini, José Eduardo Brumatti, José Ramiro Pegoraro,Lamartine Zanzini,João Batista Barbosa, Sidney Natal da Silva, Odair Higino de Carvalho, Claudio Roque da Silva, José Cesário dos Santos Filho, Claudino Romano,Benedicto Alves de Moura, Francisco Eliezer da Silva, José Levindo, Rinaldo Cavalcanti Mergulhão, José Carlos da Silva, Angelo Ariovaldo Monteiro, José Gabriel de Assis, Eduardo Aparecido dos Santos, Moisés dos Santos, Carlos Eduardo Costa,Agnaldo de Barros Reis, Juracy de Paula Monteiro e Jailton Regis dos Santos.

Podemos destacar neste ano de 2017, um evento de real importância o aniversário do Clube que fez 89 anos, realizado com nosso parceiro o “Meu Time On Line” do Eduardo Santos, cuja programação se estendeu por 4 dias, 28, 29, 30 e dia 1° de maio de 2017, foram jogos de futebol de campo e na quadra de esportes com Shows de conjuntos de samba, como o Colégio do Pagode e o samba do Neizinho, cuja festa teve início na 6ª, feira, com 2 jogos e espetáculo pirotécnico.

Centenas de pessoas estiveram prestigiando o evento, inclusive a Velha Guarda, ex-jogadores como o Fernando Tena, Português, Caveirinha, Geraldo, Yo, e muitos outros, ocasião em que foram tiradas muitas fotos e reveladas muita lembrança dos bons e velhos tempos.

Se você tiver conhecimento de alguma história ou se tiver fotos e material jornalístico da história do Macêdo, entre em contato conosco para podermos caminhar juntos rumo aos 100 anos de uma linda história.